10/05/2021 digic

Bazuca tem três mil vouchers de €30.000 para apoiar as startups a digitalizarem-se

Desafio do Plano de Recuperação é ajudar o tecido empresarial português a dar o salto do “estar” no digital para o “ser” efetivamente digital, alerta perito da Deloitte.

O Plano de Recuperação e Resiliência submetido pelo governo português à Comissão Europeia prevê repartir €90 milhões da chamada “bazuca europeia” em três mil vales de apoio – vulgo vouchers – de €30.000 cada um para apoiar o empreendedorismo de base digital.

“Voucher para Startups – Novos Produtos Verdes e Digitais” é o nome deste programa de €90 milhões que conta entregar vales a três mil startups por concurso, mediante critérios ainda por definir.

O que já se sabe é que as candidaturas passarão pela Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI) à semelhança do que já se passa com outros incentivos já existentes na área de empreendedorismo, como por exemplo, o Startup Voucher.

Este programa de vouchers visa apoiar startups que tenham ou queiram desenvolver modelos de negócio digitais e com forte componente verde, nomeadamente de elevada eficiência na utilização de recursos, que permitam a redução dos impactos da poluição, que fomentem a economia circular, que constituam novas soluções de produção energética e/ou que se caracterizem pela utilização de dados abertos ou de inteligência artificial.

Os vouchers poderão ser utilizados em recursos humanos altamente qualificados, que contribuam para as atividades de investigação & desenvolvimento ou na aquisição de serviços de incubação, aceleração ou consultoria que convirjam no mesmo objetivo.

EMPRESAS 4.0

Esta é apenas uma das várias medidas que consta do pacote de €650 milhões de subsídios europeus para a transição digital do tecido empresarial português.

Como já noticiado, o governo espera recuperar o atraso das empresas nacionais através de diversos investimentos no reforço das competências digitais dos trabalhadores, na modernização do modelo de negócios das empresas, no comércio eletrónico e na incorporação de tecnologias disruptivas além deste incentivo ao empreendedorismo de base digital.

Esta é uma oportunidade para a transição digital das empresas.

“Agora, o grande desafio com que as micro, pequenas e médias empresas (PME) se deparam é como evoluírem de estar no digital para efetivamente serem digitais. E esta diferença entre estar no digital e ser digital é muito mais do que mera semântica (…)”.

Para este perito, ser digital implica adaptar processos de negócio ao mundo digital ou mesmo implementar novos processos, e não apenas replicar no digital os processos que já existiam. Tal requer um trabalho contínuo de “curadoria” da presença digital, garantindo interação com clientes no mundo digital e qualidade de conteúdos digitais.

Fonte: Expresso Economia

Contacte-nos

vamos trabalhar juntos!

Juntos tornamos a comunicação digital mais fácil!